26 de julho de 2016

Programa Água Doce capacita equipe para implantação de unidades produtivas de tilápia e camarão marinho no Sertão

A capacitação das equipes de Gestão e de Diagnóstico do Programa Água Doce (PAD) foi realizada, nos últimos dias 21 e 22, no auditório do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). A iniciativa tem o objetivo de implantar 170 dessalinizadores no estado, sendo 20 unidades produtivas, nas quais será possível reaproveitar o rejeito no cultivo de tilápia, camarão marinho e erva sal.

No Programa, que é coordenado pela Secretaria Executiva da Agricultura Familiar (Seaf), o IPA é responsável pela parte técnica das unidades produtivas e mobilização social, sendo responsável o engenheiro de pesca, Gilvan Lira, e a extensionista Amália Carmem, respectivamente. “A capacitação vai impulsionar as ações e otimizar o trabalho realizado pelso técnicos”, afirma Lira. 

O engenheiro é responsável pelas capacitações dos agricultores em aquicultura, transporte e povoamento dos peixes, manejo, acompanhamento alimentar e da qualidade da água, além de realizar a biometria para verificar o crescimento dos peixes. Por sua vez, Carmem realiza o trabalho de conscientização e mobilização da comunidade para gerenciamento do dessalinizador e da Unidade Demonstrativa.

O evento foi promovido pela Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária (SARA), por meio da Seaf, e Ministério do Meio Ambiente (MMA). A apresentação da abertura foi realizada por Alexandre Moura, coordenador nacional do programa e representante do MMA.  A parte prática foi realizada no município de Riacho das Almas, na sexta-feira (22).

O Programa Água Doce é um convênio formalizado entre o Governo de Pernambuco, por meio da SARA, e o MMA, para a implantação/recuperação de 170 sistemas de dessalinização, dos quais 20 serão unidades produtivas como esta de Ibimirim. As ações irão beneficiar cerca de 60 mil pessoas, em até 50 municípios. O investimento é da ordem de R$ 37 milhões.

 

Fonte: Núcleo de Comunicação do IPA