10 de março de 2017

Engenheiros do Inventário Florestal Nacional serão capacitados na Estação do IPA em Caruaru

O Inventário Florestal Nacional em Pernambuco (IFN-PE) vai levantar informações de 249 pontos, distribuídos em mais de 115 municípios, a fim de mapear as áreas florestais do Estado. Para dar início ao IFN-PE, o Serviço Florestal realizará, de 7 a 14 de março, um curso sobre a metodologia a ser usada pelas equipes de campo, na Estação Experimental do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em Caruaru. No dia 16 de março, o curso será voltado a integrantes da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semas) e de organizações não governamentais, para conhecerem o processo de coleta de dados em campo.

Serão três equipes, num total de 15 profissionais, entre engenheiros florestais, biólogos e técnicos agropecuários. A previsão é que o trabalho seja concluído em quatro meses. Serão investidos cerca de R$ 900 mil, com recursos do Projeto GEF (Global Environmental Facility) de Apoio ao IFN, geridos pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A iniciativa, de abrangência nacional, é coordenada pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. Em Pernambuco, o levantamento será feito com o apoio do governo estadual, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

O governo estadual será responsável por realizar o levantamento nas 82 Unidades de Conservação de Pernambuco, com recursos de compensação ambiental, no valor de R$ 1,5 milhão. De acordo com a Semas, essa segunda etapa ainda está em fase final de liberação de recursos.

O Inventário Florestal fará uma radiografia da biomassa florestal e do estoque de carbono e o levantamento das espécies arbóreas existentes em Pernambuco. Equipes irão a campo medir as árvores, analisar sua saúde e vitalidade, coletar amostras do solo e de material botânico, entre outros aspectos. O objetivo é conhecer não só a quantidade dos recursos como também o estado de conservação e a biodiversidade das florestas.

Além disso, serão realizadas entrevistas com moradores do entorno das áreas pesquisadas sobre sua relação com a floresta e o uso dos recursos, como a utilização para alimentar o gado ou de lenha para cozinhar. Esse levantamento com a comunidade é uma das novidades da metodologia do IFN.

No Nordeste, os inventários dos estados do Ceará, Sergipe, Rio Grande do Norte e Alagoas já foram concluídos e o da Bahia está em implementação. O levantamento também já foi concluído em outros seis estados brasileiros: Distrito Federal, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e Sergipe. Ao todo, as equipes coletaram dados em mais de 150 milhões de hectares de florestas em todo o Brasil, até o momento.

 

Fonte: Núcleo de Comunicação do IPA