11 de abril de 2018

Do sonho à conquista, Eraldo venceu como agricultor no Sertão

A história de Eraldo Pereira Leite, 42 anos, foge do óbvio a partir do seguinte momento. Vendedor no Recife, ele fez o caminho contrário à maioria das pessoas. Saiu da capital e subiu para o interior, largou as vendas e virou agricultor. Encontrou segurança, paz e realização pessoal. A motivação para tudo isso partiu da própria admiração que ele nutria pela produção de hortaliças que gostava muito de ver sempre que estava em Vitória de Santo Antão, na Mata Sul do Estado.

E foi assim que, há 12 anos, ele apostou no sentimento, vendeu seus poucos bens e mudou-se para a cidade de Cedro, Sertão Central do Estado, comprou um pedaço de terra e associou-se aos amigos Francisco de Paula, 48 anos e Antônio da Silva de 31 anos, que já eram agricultores experientes e lhe repassaram a expertise na lida do campo.

Eles atualmente produzem hortaliças e frutas numa área de 13 hectares, sendo cinco com irrigação e sem uso de agrotóxico, ou seja, seguindo a tendência de valorização do produto orgânico.  O trabalho sem produtos químicos foi idealizado e apresentado aos amigos pelo extensionista do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Manoel Neto, que atende aos agricultores da cidade de Cedro.

Eraldo e seus companheiros produzem batata, feijão, mamão, macaxeira, coentro, milho, alface, maracujá, banana, rúcula, cana de açúcar e pimenta. Ele se orgulha muito da qualidade de seus produtos. “O nosso coentro dura mais de oito dias e sem amarelar ou amolecer. Fico muito feliz por ter conseguido leva-lo à Ceasa do Recife”, ressaltou o agricultor.

Parte da produção dos amigos, aproximadamente 12 toneladas por ano, é repassada ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do município, que é gerenciado através do IPA/Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária de PE.  Já a maior parte e levada para a feira local, Ceasa do Recife, feira de cidades vizinhas e do Estado do Ceará.   

O agricultor está pleiteando sua entrada em outro programa ofertado em Cedro, que é o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), por meio do governo municipal de Cedro. Eraldo também busca repassar sua produção para feira ou comerciante orgânicos, pois com essa medida irá alcançar um valor maior por suas hortaliças e frutas.

“Um dia me disseram que não poderia mexer com agricultura, pois nunca tinha trabalhado antes. Era meu sonho, possuir uma terra. Ai eu disse: Um dia arrumo a terra e vou trabalhar com ela. Meu pensamento não é eu acho. É eu posso e assim pude conquistar o pouco que tenho hoje”, falou Eraldo Pereira.

 

 

Fonte: Núcleo de Comunicação