Apresentaço



Com a criação do Departamento Estadual de Poços e Açudagem – DEPE e da Companhia de Mecanização Agrícola – COMAPE, o estado de Pernambuco deu início de forma articulada, as atividades visando ampliar a acumulação de água quer de origem superficial ou subterrânea por meio de perfuração de poços, construção de barragens mecanizadas ou com controle tecnológico, construção de cisternas, barragens subterrâneas, implantação de dessalinizadores, implantação de sistemas rurais de abastecimento de água – SRAA, dentre as principais.


Registra-se que nas ultimas décadas as empresas de recursos hídricos de Pernambuco passaram nem sempre com muito sucesso, por sucessivos processos  de extinção ou acomodação. Foi assim com o DEPA, COMAPE, CISAGRO, EMATER e EBAPE e com a reforma administrativa instaurada pelo governo estadual em 2003 encontra-se atualmente no IPA.


As atividades especificas visando melhorar a infra-estrutura hídrica rural são desenvolvidas atualmente pela Diretoria de Infra-Estrutura Hídrica – DIH do IPA, que procura atender de forma ordenada, prioritariamente o agricultor familiar residente na zona rural do Estado.


Dispondo de uma reduzida equipe, com cerca de 80 pessoas, a DIH procura desenvolver da melhor maneira possível suas atividades em todo o Estado, com estruturas sediadas nas gerências regionais de Caruaru, Garanhuns, Serra Talhada e Ouricuri. É importante destacar que a maioria dos serviços é executado diretamente pela DIH, sendo terceirizado quando os serviços estão além de nossa capacidade operacional.


Em Recife ficam as coordenações das atividades de captação de águas superficiais e subterrâneas, que buscam constantemente viabilizar da melhor maneira possível as demandas geradas por pessoas ou entidades representativas da população rural do Estado.


A supervisão de recursos hídricos de Caruaru responde pelas atividades de instalação e recuperação de poços, implantação e recuperação de dessalinizadores e de sistemas rurais de abastecimento de água. Atende a priori, toda a região do Agreste e parte do Sertão.


Com o objetivo de melhor atender o agricultor familiar, as supervisões de infra-estrutura hídrica situadas nas gerências regionais de Garanhuns e de Ouricuri estão habilitadas para desenvolver as atividades ligadas a captação de águas superficiais principalmente através da construção de barragens mecanizadas feitas basicamente com tratores de esteira, construção e fiscalização de cisternas, barragens subterrâneas e outras.


A supervisão de Serra Talhada está equipada para desenvolver atividades ligadas a perfuração de poços, recuperação e instalação de poços, construção de poços amazonas, construção e recuperação de barragens mecanizadas e barragens subterrâneas , e construção de cisternas, principalmente. É importante ressaltar que ali está localizada a principal estrutura da DIH no interior.


Na área específica do aproveitamento racional das águas subterrâneas, destaca-se a contribuição do IPA no projeto construtivo de poços do tipo tubular profundo em rochas cristalinas, destacando-se a profundidade, teste de vazão, detecção da qualidade da água para fins de consumo humano, dentre outros. É importante lembrar também a construção de barramentos subterrâneos, responsáveis pela acumulação, para fins diversos, de água em volumes consideráveis de aproveitamento.


A construção de barragens mecanizadas pode representar, quando executada adequadamente, um instrumento relevante para a fixação do homem no seu habitat natural, evitando o seu deslocamento para centros mais “desenvolvidos” e incrementando a massa de desamparados que habitam as periferias das cidades. Esses reservatórios devem ser construídos com um número de horas máquina (referencia trator modelo caterpillar D4E) que permita a acumulação de água por um período mínimo de um ano.


A Diretoria de Infra-Estrutura Hídrica através de sua equipe, desenvolveu ao longo dos anos de atividades, importantes instrumentos para a operacionalização de forma racional do aproveitamento dos recursos hídricos estaduais. Desta forma, podemos mencionar dentre outros a profundidade máxima de 60m para poços perfurados no  cristalino, teste de vazão para poços no cristalino com uma duração mínima de 12 horas; estudar para o correto dimensionamento do equipamento de bombeamento de poços para aferição da vazão de explotação; elaboração de estudos para o correto dimensionamento da altura do maciço e do posicionamento do sangradouro. Para barragens mecanizadas, construída com tratores de esteira; difusão da construção de cisternas de placas; e construção de barragens subterrâneas.

COPYRIGHT © 2008 GOVERNO DE PERNAMBUCO
Av. General San Martin, 1371 - Bongi - Recife - PE - CEP: 50761-000 - PABX: (81) 3184-7200