12 de abril de 2020

Pescadores de Tamandaré se reinventam no comércio online para sobreviver à pandemia

A pandemia do novo coronavírus afetou a realidade de Tamandaré, um dos principais destinos turísticos de Pernambuco, localizado na Mata Sul. A economia da cidade vive basicamente da pesca e do turismo, diretamente afetados com as medidas restritivas sanitárias. Para diminuir os impactos do fechamento de bares, restaurantes e hotéis - principais clientes da colônia de pescadores -, foi articulada uma venda direta entre o pescador e o morador do município, através de avisos no WhatsApp.
 
A venda por WhatsApp foi uma das recomendações da Secretaria de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco. O secretário da pasta, Dilson Peixoto, afirma que o estado vem acompanhando a situação dos pescadores. “O estado já paga o (programa) Chapéu de Palha.
 
Agora estamos trabalhando junto às colônias o cadastro desse pessoal no Auxílio Emergencial do governo federal. Nossos técnicos do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) estão em contato constante com as colônias, para ajudar no que for preciso”, diz.
 
Além de dar tempo para o estado pensar em outras alternativas de apoio, o auxílio federal pode beneficiar quem trabalha com mar mas não têm o Registro Geral de Pesca (RGP), que deixou de fazer novos cadastros em 2013. “Na época do auxílio do óleo, muitas marisqueiras ficaram prejudicadas”, exemplifica. Com informações do Diário de Pernambuco. (Foto: Peu Ricardo/DP.)