27 de julho de 2020

Pesquisadora Francis Lacerda fala sobre climatologia e projetos em Pernambuco

A pesquisadora e climatóloga Francis Lacerda conversou com nosso coordenador de comunicação Daniel Cruz sobre climatologia, o trabalho do climatólogo e os projetos que estão sendo desenvolvidos aqui em Pernambuco com o apoio do IPA. Confira a primeira parte da entrevista:
 
 
Daniel Cruz: Doutora, primeiramente, o que faz uma climatóloga?
 
Francis Lacerda: A gente também pode chamar de climatologista. O climatologista ou climatólogo estuda as séries históricas de variáveis meteorológicas, como precipitação ou temperatura. Enquanto o previsor do tempo, o meteorologista, se preocupa com o tempo presente, o climatologista se preocupa com a história do tempo. Ou seja, pra você falar de clima, você precisa expressar o seu conhecimento de no mínimo 30 anos, 40 anos de uma região. No caso das mudanças climáticas, você tem que usar séries históricas superiores a 50 anos, 100 anos, para poder entender o clima. 
 
Daniel: E quando começou seu interesse por essa área?
 
Francis: Faz parte da história da minha vida. Eu sempre gostei de física e matemática. E antes de tentar vestibular eu tava na dúvida se fazia engenharia elétrica, física ou matemática. Mas eu queria estudar física e matemática em uma aplicação. E aí conversando com uma socióloga, professora da Universidade Federal da Paraíba, ela falou pra mim “Ah, se você gosta tanto de física e matemática, e quer ver elas sendo aplicadas, estuda meteorologia”. E eu realmente fiquei encantada. Me apaixonei pela meteorologia. 
 
Daniel: Quais são os seus trabalhos e projetos profissionais aqui no IPA no momento?
 
Francis: Nós chegamos aqui na década de 90 e montamos o primeiro laboratório de previsão de tempo de Pernambuco. Isso é uma alegria falar. Esse laboratório que na época era o LAMEPE (Laboratório de Meteorologia de Pernambuco), que foi inaugurado no governo de Joaquim Francisco, foi montado aqui no IPA com toda a sofisticação que naquela época permitia o instituto ter. Então a gente tinha uma antena de recepção de satélite, recebíamos as imagens dos satélites meteorológicos europeu e americano em tempo real, e isso no começo da década de 90, já tínhamos um aparato de ciência e tecnologia agregado aos nossos métodos. Nós não dependíamos mais dos americanos. E essa rede era toda movida por energia solar naquela época, não usávamos energia fóssil nem suja, e as estações que mediam as variáveis meteorológicas que eram necessárias para nossas previsões já faziam em tempo real sem a mão humana e toda movida pela energia do sol. 
 
Daniel: Isso em que ano?
 
Francis: 95.
 
Daniel: Já estava na vanguarda, né?
 
Francis: Já estava na vanguarda e no estado arte da ciência do clima, aqui em Pernambuco, aqui no IPA. 
 
Daniel: Falando sobre energia solar, eu me lembrei agora do projeto ecolume. Vamos falar um pouco sobre seu envolvimento com esse projeto. 
 
Francis: Esse projeto a gente escreveu em 2017, por ocasião do lançamento de um edital do que convocava os cientistas e pesquisadores do Brasil para solucionarem os problemas que traziam as mudanças climáticas. Então a mudança climática tem uma série de consequências, uma delas é a escassez de alimento, a escassez de água. E nós estamos com as nossas energias não renováveis também findando. Já sabemos que o petróleo e o carvão têm os dias contatos. Então, diante desse problema, qual seria a solução? Como podemos garantir a segurança hídrica, energética e alimentar fazendo frente a essa questão das mudanças climáticas e estudando por biomas. Nesse caso, foi o bioma caatinga. Então nós apresentamos a proposta, que foi contemplada. Um dos projetos que recebeu mais recursos do CNPQ, e tô muito feliz com esse projeto. É um projeto que a gente tá tocando lá em Ibimirim, no coração do semi-árido. Nós acabamos de apresentar ele em Dresden, na Alemanha, ele foi selecionado no maior evento de economia circular que o hoje o mundo faz. A gente apresentou no ano passado no congresso nacional, a gente apresentou na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Então a gente vem se destacando nesse projeto. 
 
Daniel: Teve até uma capacitação de 700 pessoas sobre tecnologia solar, não foi? 
 
Francis: Isso. A gente prototipou essa solução. Foi uma solução que a gente propôs ao CNPQ. Uma solução que integra as três seguranças: hídrica, alimentar e energética, de forma circular e sinérgica. Dentro de um nexos, que é uma metodologia que faz a integração dos 3 eixos. Então a gente teve oportunidade de montar um sistema agrovoltaico, um termo que foi cunhado e hoje a gente já pratica esse tipo de agricultura, que faz frente à agricultura convencional. É uma agricultura de baixo carbono, em que você produz numa área pequena e libera as terras para o reflorestamento, o recaatingamento. A gente montou e prototipou lá no SERTA, na escola onde esse projeto foi implantado, fizemos uma integração com os alunos da agroecologia. Foram eles que montaram junto com a gente. Lá temos uma unidade de 28m², protegida por 10 painéis, que alimentam de energia a escola e fazem o bombeamento de água pra dentro do sistema de aquaponia, que fica na sombra. Essa questão de ficar na sombra a produção de alimentos é interessante porque aumenta a eficiência energética das placas. Elas produzem muito mais do que se tivessem no telhado das casas. Isso acontece porque a temperatura do semi-árido chega às vezes a próximo de 40 graus, e baixa a eficiência das placas e passam a produzir menos energia, causa um superaquecimento. E as plantas embaixo das placas promovem um microclima que refresca os painéis solares. Então estamos tendo uma produção de energia e de alimentos maior do que esperávamos, devido à adaptação das plantas. Construímos uma espécie de viveiro. Cercamos com uma tela e criamos um viveiro do século 21, que produz a sua própria água. Na área onde os painéis solares estão instalados há uma captação de água de chuva, que vai direto para cisterna e volta novamente para alimentar o tanque com os peixes. A quantidade de evaporação é mínima e  a gente tem uma produção o ano inteiro de alimentos de proteína animal e vegetal, e de energia, porque são 365 dias do ano o sol reinando no céu do semi-árido de Pernambuco.

Fonte: Núcleo de Comunicação