Publicaes | Folhetos Explicativos



Vantagens da aplicação conjunta de calcário e gesso agrícolas nos solos da Chapada do Araripe.

Francisco José de Albuquerque Cavalcanti

COMO OS SOLOS SÃO CLASSIFICADOS EM RELAÇÃO AO GRAU DE ACIDEZ?

Resumidamente são classificados como ácidos (pH abaixo de 7,0), neutros (pH =7,0) e alcalinos (pH superior a 7,0).

EXISTE DIFERENCIAÇÃO ENTRE OS SOLOS ÁCIDOS?

De acordo com os critérios estabelecidos pela Comissão Estadual de Fertilidade do Solo, os solos ácidos podem ser subdivididos em três diferentes classes:

 

 

Classe

Valores para pH

fortemente ácidos

abaixo de 5,1

medianamente ácidos

5,1 a 5,7

fracamente ácidos

5,8 a 6,9

 

ALÉM DO pH EXISTEM OUTRAS CARACTERÍSTICAS COMUNS AOS SOLOS ÁCIDOS?

É regra geral que, em solos ácidos, o cálcio e o magnésio não estejam presentes em concentrações elevadas. A contínua remoção desses dois elementos pelos vegetais e pela água resulta numa redução do pH do solo, fato esse que acarreta o surgimento do alumínio numa forma prejudicial às plantas.

 

QUAL A RAZÃO PARA A BAIXA FERTILIDADE DOS SOLOS DA CHAPADA DO ARARIPE?

Esses solos originam-se de arenitos, tipo de rocha com baixos teores em elementos essenciais às plantas, principalmente cálcio, magnésio e potássio. Tanto assim que, em mais de 3.500 amostras procedentes de Araripina-PE e analisadas pelo IPA, os resultados obtidos para fósforo, potássio e cálcio mais magnésio foram considerados baixos em cerca de 80% dos casos.

 

A CALAGEM FAVORECE O DESENVOLVIMENTO DAS CULTURAS?

Dentro de certos limites, aumentos no pH devidos à calagem beneficiam os cultivos, pois proporcionam uma melhor absorção dos elementos que são consumidos em grandes quantidades pelas plantas. Convém lembrar que, dependendo do modo de incorporação e da qualidade do corretivo, a reação mais intensa do calcário com o solo leva até 60-90 dias e não se verifica caso o solo esteja seco.

 

A CALAGEM É UMA PRÁTICA AGRÍCOLA RENTÁVEL ?

O emprego de calcário nas doses sugeridas pelos laboratórios de análise de solo visa a um só tempo, neutralizar os efeitos nocivos do alumínio e fornecer cálcio e magnésio à camada arável do solo. Quando corretamente efetuada, essa prática indiscutivelmente traz benefícios econômicos para o agricultor por um período que poderá se estender de três a cinco anos.

 

A ACIDEZ ABAIXO DA CAMADA ARÁVEL AFETA O RENDIMENTO DAS CULTURAS?

A presença do alumínio numa forma tóxica para as plantas e as deficiências de cálcio e de magnésio são muito freqüentes nas camadas subsuperficiais (abaixo da camada arável) de solos como o que ocorre na Estação Experimental de Araripina-IPA e reduzem drasticamente o rendimento das culturas.

 

O GESSO AGRÍCOLA ELIMINA PROBLEMAS CAUSADOS PELA ACIDEZ DO SOLO?

Apesar de não ser propriamente um corretivo de acidez, o gesso quando aplicado ao solo é capaz de reduzir os efeitos nocivos do alumínio. Além disso, ao contrário do calcário, esse insumo agrícola consegue ainda arrastar elementos como o cálcio e o magnésio para as camadas mais abaixo da superfície do solo.

 

É IMPORTANTE MELHORAR AS CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO SUBSOLO?

Uma vez constatada a presença de alumínio e a deficiência de cálcio e de magnésio abaixo da camada arável, pode-se substituir por gesso agrícola 1/5 a 1/3 da dose de calcário indicada pelo laboratório de análise de solo. Contudo, para evitar perdas acentuadas dos elementos nutritivos contidos na camada superficial do solo, aplicar sempre o gesso juntamente com o calcário.

 

AS CULTURAS RESPONDEM BEM À APLICAÇÃO DO GESSO AGRÍCOLA?

As raízes das plantas cultivadas em solo previamente tratado com calcário e gesso conseguem atingir as camadas mais profundas. Como conseqüência, elas passam a explorar mais intensamente um novo volume de solo, justamente onde o teor de água disponível é sempre mais elevado nos períodos de estiagem.



<< Voltar

COPYRIGHT © 2008 GOVERNO DE PERNAMBUCO
Av. General San Martin, 1371 - Bongi - Recife - PE - CEP: 50761-000 - PABX: (81) 3184-7200