Publicaes | Folhetos Explicativos



COQUEIRO
Luiz Gonzaga Biones Ferraz, Manoel Américo de Carvalho Fonseca e Erinaldo Viana de Freitas

QUAIS SÃO OS TIPOS DE COQUEIRO QUE EXISTEM?

Existem três tipos de coqueiro: a) Gigante,  também  chamado de Coqueiro da Praia; b) Coqueiro Anão (Verde, Vermelho e Amarelo); c) Coqueiro Híbrido, também chamado de Anão-Gigante.

O QUE É UM COQUEIRO HÍBRIDO OU ANÃO-GIGANTE?

  • É aquele originado do cruzamento entre um coqueiro Gigante e um coqueiro Anão.
  • Ele pode ser obtido tanto natural quanto artificialmente. No primeiro caso, o cruzamento ocorre livremente, realizado principalmente por abelhas. No segundo caso, há interferência do homem, sendo que o cruzamento pode ser realizado manualmente ou por abelhas.
  • O nome de Anão-Gigante é uma variação criada por nucicultores (quem cultiva coqueiro) e viveiristas de algumas regiões produtoras de coco.
  • O coqueiro Híbrido que se deve cultivar é aquele proveniente de campo instalado especificamente para produção de sementes híbridas.

QUAIS AS FINALIDADES DESSES TIPOS DE COQUEIRO?

  • Os frutos do coqueiro Anão, principalmente do Anão-Verde, são usados para consumo de água, enquanto que os frutos do coqueiro Gigante e dos Híbridos são usados para consumo da “carne-de-coco” ou albúmen, podendo ser usado sem qualquer beneficiamento (“in natura”) ou beneficiado, na forma de coco ralado e leite de coco.
  • No Brasil, somente os frutos que não servem para estas finalidades, são usados para extração de óleo.

COMO É FEITO O PLANTIO DE COQUEIRO?

  • Para o coqueiro Anão, são usadas covas com média de 60cm nas três dimensões e para o Gigante e Híbridos com 80cm. Caso as mudas sejam produzidas em sacos plásticos, esses valores podem ser aumentado em torno de 20cm.
  • O espaçamento para o coqueiro Anão deve ser de 7,50m x 7,50m, contudo, quando houver escassez de área, pode ser reduzido para 7,0m x 7,0m. Para os Híbridos, deve ser de 8,50m x 8,50m e para o Gigante, 9,0m x 9,0m. Nos três  casos, em triângulo equilátero.
  • As linhas principais de plantio devem ser marcadas no sentido Norte – Sul. Desta forma, além de aumentar o número de plantas por hectare, evita-se que uma planta sombreie a outra.
  • Nestes casos, a necessidade de mudas para cada hectare será de 205 ou 235 para coqueiro Anão, 160 para Híbrido e 143 para Gigante respectivamente.

COMO ADQUIRIR MUDAS DE BOA QUALIDADE?

Uma muda boa para plantio deve estar com cerca de seis meses de idade, com diâmetro do coleto na faixa de 15cm, altura em torno de 1,0m e seis a sete folhas vivas.

O QUE FAZER NA FALTA DE MUDAS DE BOA QUALIDADE?

  • Nesse caso, é preferível que o nucicultor selecione em sua plantação as plantas mais produtivas e saudáveis e conserve os seus frutos para formação de mudas.
  • Os frutos que servirão como sementes devem ser colhidos secos ou próximo de secar, de preferência colhidos manualmente.
  • Após a colheita, os frutos devem ser chanfrados (entalhe ou corte na parte superior do fruto, próximo ao local onde o fruto se prende ao cacho), para facilitar a germinação, e postos para completar a maturação do embrião, em local fresco e ventilado, por cerca de dez dias.

 QUAIS AS CAUSAS DA QUEDA DE FLORES E FRUTOS E O QUE FAZER?

  • Várias são as causas que podem provocar queda de flores e frutos de coqueiro, sendo possível o envolvimento de mais de uma causa.
  • No início da fase produtiva é comum ocorrer elevada queda de flores femininas antes e após a sua fertilização, relacionada à fisiologia da planta, normalizando-se com o passar do tempo.
  • Outras causas mais comuns são as deficiências hídrica e nutricional e o ataque de pragas e doenças.
  • As necessidades de água e adubação para coqueiro variam em função de fatores ambientais de cada região e das análises que necessitam ser realizadas.
  • O controle de pragas e doenças depende da ocorrência das mesmas. 

É RECOMENDADO USAR SAL DE COZINHA NO OLHO DO COQUEIRO?

  • Não. Ele contém apenas um elemento necessário para o coqueiro desenvolver e produzir satisfatoriamente, que é o cloro.
  • Os elementos mais exigidos pelo coqueiro são: potássio, seguido de nitrogênio e em terceiro lugar o cloro.
  • Portanto, deve-se usar cloreto de potássio + uréia + superfosfato simples ou cloreto de potássio + sulfato de amônio + superfosfato triplo.

COMO CONTROLAR A DOENÇA DO ANEL-VERMELHO?

  • O primeiro passo é derrubar, cortar e queimar todas as plantas com anel-vermelho.
  • Deve-se espalhar armadilhas dentro do coqueiral. A armadilha pode ser feita com balde plástico, com tampa furada, de modo que possam ser colocados três funis com a parte mais fina para dentro. No interior do balde podem ser colocados pedaços de cana-de-açúcar amassados e passados em uma calda de melaço ou pedaços de estipe (tronco) de palmeiras cortados longitudinalmente, que servem para atrair o besouro transmissor da doença.
  • Em vez dessas iscas, pode-se usar um papelote, dependurado no interior do balde, contendo a isca chamada de feromônio, adquirido em lojas de agrotóxicos.
  • Em ambos os casos, deve-se substituir as iscas a cada 15 dias e eliminar os besouros capturados.
  • Deve-se evitar cortar folhas verdes da planta, para não atrair o besouro e com ele a doença.

 É POSSÍVEL CULTIVAR COQUEIRO EM CONSÓRCIO?

  • Sim, é possível.
  • No Brasil, as experiências ainda são poucas, porém, existem coqueirais consorciados com mandioca, abacaxi, inhame, entre outras culturas.
  • Trabalho desenvolvido na Estação Experimental do IPA, em Itapirema, Goiana, Pernambuco, demonstra a viabilidade do consórcio entre coqueiro e café Conilon. A expectativa é de se obter 30 sacas de café/ha/ano. O coqueiro também apresenta melhor rendimento, por ser beneficiado pelo tratamento dado ao cafeeiro, como adubação e irrigação.
  • Em países do Sudeste Asiático é comum o consórcio de coqueiro com diversas culturas. O rendimento médio (kg/ha) é satisfatório, como por exemplo:
  • abacaxi (8.000 a 10.000); amendoim (descascado - 13.000); arroz (1.200 a 1.500); 
  • banana (1.250 a 2.200 cachos); café (1.150 a 1.525); feijão (200); inhame
  • (10.300); mandioca (4.500); milho (1.170 a 3.000); pimenta do reino (8.000); e tomate (17.900).

<< Voltar

COPYRIGHT © 2008 GOVERNO DE PERNAMBUCO
Av. General San Martin, 1371 - Bongi - Recife - PE - CEP: 50761-000 - PABX: (81) 3184-7200